Investir em soluções de reflorestamento, conservação e restauração para garantir a segurança hídrica nas cidades da América Latina é lucrativo - Fondos de Agua

Hoje, o Relatório “Infraestrutura Natural no Sistema de Abastecimento de Água do Guandu, no Rio de Janeiro” foi divulgado durante um evento no Museu do Amanhã, no Rio de Janeiro, Brasil. Este relatório é o segundo de uma série de estudos de infraestrutura natural para a água no Brasil e no México.

O relatório do Rio de Janeiro faz parte de uma série de estudos sobre a importância de se considerar a infraestrutura natural nos planos de investimentos em abastecimento. O primeiro estudo, publicado em setembro, analisou o caso do Sistema Cantareira, em São Paulo, e mostrou resultados semelhantes: os paulistas poderiam economizar R$ 219 milhões em 30 anos com restauração florestal de 4 mil hectares e conservação de áreas verdes.

No caso da cidade do Rio de Janeiro, também encontramos um sólido argumento econômico para investir em florestas:
O estudo “Infraestrutura Natural para Água no Sistema Guandu, no Rio de Janeiro” mostra que se produtores rurais, empresas, o estado e a Companhia Estadual de Águas e Esgotos do Rio de Janeiro (Cedae) incentivarem a preservação das áreas naturais remanescentes e o plantio de florestas em 3 mil hectares em áreas altamente degradadas – o que representa 1,4% da bacia –, a quantidade de terra, sujeira e sedimentos que chega nos rios reduziria em 33%. Com menor quantidade de sedimentos, a ETA Guandu deixaria de usar 4 milhões de toneladas de produtos químicos e 260 mil MWh em energia, gerando o retorno do investimento de 13%, compatível com os resultados financeiros de obras no setor.

O estudo foi produzido pelo WRI Brasil, Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza e The Nature Conservancy (TNC), e contou com apoio de Fundação FEMSA, União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN), Instituto BioAtlântica (IBio) e Natural Capital Coalition. A participação da TNC foi possível graças à Aliança Latino-Americana de Fundos de Água.

Saiba mais sobre este estudo aqui